Desde menino sou preocupado com as questões ambientais de minha terra natal. Quando iniciei minha carreira internacional em 1997 levantei  a bandeira da preservação de uma das maiores riquezas naturais do planeta, e passei a ser conhecido como “Jungle Boy” (Garoto da Selva) até chegar na Fórmula 1.
Agora tenho estampado
“Save the Amazon” (Salve
a Amazônia) na carenagem de meu StockCar. Essa luta é minha, porque quero o bem do lugar onde nasci. Mas é também de todos, porque a Amazônia é nossa. Ela é fundamental para nosso país e para todo o planeta. A iniciativa de conservar a natureza precisa partir de dentro da pessoa, cada um tem que fazer a sua parte. Idéias não faltam. Só está faltando mesmo atitude.

Quem sou eu ...

  • Desde que comecei a minha
    carreira, sempre fiz
    questão de mostrar a todo
    mundo que sou da Amazônia.
    Quando estou de folga
    gosto de praticar todos os
    tipos de esportes, além de
    ficar com meus amigos e
    família em Manaus. Ouço
    todo tipo de música, mas
    gosto muito do U2. Nas
    minhas horas vagas gosto
    de tocar cavaquinho e
    guitarra. Comecei a andar
    de kart com 11 anos. Fui
    tricampeão paulista e
    levei o título brasileiro
    em 1996. Nesse mesmo ano
    fui me aventurar no
    exterior, para depois ser
    campeão da Fórmula
    Vauxhall Jr, Fórmula
    Renault Inglesa e Fórmula
    3 Inglesa. Disputei três
    temporadas da Fórmula 1 e
    duas na Champ Car. Hoje
    sou profissional da Stock
    Car, a principal categoria
    do automobilismo aqui no
    Brasil.



    Meu perfil
    BRASIL, Norte, MANAUS, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, English



    Arquivos

    Votação
     Dê uma nota para meu blog

    Outros links
     UOL - O melhor conteúdo
     BOL - E-mail grátis




a
 
 


Diário do Pizzonia

 


 


Estação central de Frankfurt, na Alemanha.

 

7:29 da manhã em ponto soa o sino.

 

Aqui vou eu de Frankfurt para Colônia de trem. A pontualidade alemã

é incrível. Sem 1 minuto sequer de atraso o trem começa a se movimentar. Uma mistura de modernidade com antiguidade me deixou impressionado na estação. Nessas horas é que a gente vê como o

nosso amado país está atrás dos países do primeiro mundo. Bom,

vamos ao que interessa.

 

Após uma semana incrivelmente corrida (literalmente), finalmente tive tempo para escrever aqui. Os últimos dias foram cheios de emoções, correria, trabalho e muito cansaço.Mas tudo até agora está valendo muito a pena.

 

Ahhh Europa!

 

Estava com saudades daqui e, sinceramente, não vejo a hora de

chegar na minha casinha em Mônaco.Reencontrar velhos amigos, já

que esse ano quase não fiquei por aqui.

 

Apesar do frio europeu que começa agora e de não gostar nem um pouco do frio, estou aproveitando cada segundo antes que isso aqui

vire uma tragédia e eu congele de vez...

 

Em 9 dias que eu estou aqui tive apenas 2 dias de folga.

 

Resolvi aproveitar o primeiro dia e ir até o centro de Milão enquanto ainda estava por lá (Milão é onde fica a sede da minha equipe). Estar

na Europa. Nada melhor que "viver a Europa". Ou seja, fazer coisas

que eu acho que jamais faria no Brasil. Decidi fazer tudo de trem e metrô.

 

Logo que cheguei na estação de Milão, enquanto eu comprava meu chocolate quente, escuto um grito "Pitzssônia" ( assim que soa o meu nome quando falado em italiano, rsrs ). Olho para trás e vejo um

senhor típico italiano com uma boina na cabeça, bengala na mão e segurando o jornal.O europeu é fanático por F1 e como minha carreira toda foi construída praticamente na Europa, aqui as pessoas me conhecem bem mais do que no Brasil.

 

O que me impressionou de verdade foi que aquele senhor, com aquela idade, foi capaz de me reconhecer (ainda mais agora que raspei a cabeça, rsrs). Pensei comigo mesmo: esse é fanático de verdade.

 

Minha segunda folga foi ontem, 1 dia após a corrida.

 

Já em Frankfurt, resolvi ficar o dia inteiro no quarto do hotel descansando e recuperando as energias do final de semana. À noite,

saí para jantar com alguns amigos que moram aqui (não mais aqui, porque nesse minuto com o trem se movimentando a 200 km/h, sabe Deus onde eu estou).

 

Carro novo, fisicamente é complicado. Não importa o quanto você se prepara, sempre tem algumas coisas que o corpo só se adapta quando você anda com o carro. Portanto, dores musculares, hematomas, bolhas, lesões e calos, são inevitáveis. Hoje mesmo ainda embarco

para Mônaco. Uma reunião em Colônia me fez mudar alguns planos. Portanto, embarcarei de Colônia direto para a minha casa.

 

Se Deus quiser ainda começo o meu treinamento físico hoje. Os

próximos dias serão difíceis, mas tudo feito com muito prazer, sempre visando meu objetivo que é vencer e estar 100% preparado para

fazer o meu melhor sempre dentro do carro. Assim serão os meus próximos dias. Preparação física, psicólogo, nutricionista e quando o tempo permitir, me divertir um pouco com os amigos.

 

A próxima corrida será em Zolder, na Bélgica. Uma pista que não conheço. Pelo menos agora eu já tenho alguma experiência com o carro. Isso com certeza ajudará a me adaptar a pista mais rápido.

 

Nurburgring. Nossa! Quanta agitação. Fui muito bem recebido dentro

da categoria. Tratado como um rei! Esse reconhecimento é bom

demais. No Brasil, na maioria das vezes, somos pouco valorizados. Ouvir o dono de a categoria me dizer que eu sou o "diamante" da categoria, e que eles não podem me perder de jeito nenhum fez eu me sentir em casa.

 

Um começo muito agitado. Ansiedade, preocupações se iria me

adaptar ao carro, e relembrar bem a pista. Banco novo, posição dos pedais, pouco tempo de treino. Carro rápido, fisicamente preciso estar 100%.

 

Apenas 3 treinos de 30 minutos me separavam da classificação. No primeiro treino um problema com o câmbio nem me deixou sair dos boxes. E agora? Ahh, nessas horas a tranqüilidade tem que dominar a pessoa, senão as coisas só pioram. Vamo que vamo!

 

Segundo treino de 30 minutos, eu apenas na minha terceira volta, acabei rodando e o carro ficou por lá mesmo. Mais um treino perdido

e apenas 3 voltas com um carro que nunca tinha andado. As coisas foram complicando mais ainda. Paciência, muita paciência e tranqüilidade nessas horas por pior que seja a situação.

 

Terceiro e ultimo treino antes da classificação e eu

praticamente estava na mesma situação que havia chegado lá. Ou seja, sem experiência nenhuma com o carro e sem tempo de adaptação. Finalmente consegui andar. Continuava completamente desconfortável com o carro e precisando de mais tempo de pista. Infelizmente esse tempo eu não teria mais.

 

No final do treino, quase 2 segundos me separavam do tempo mais rápido do dia. Isso no automobilismo é uma eternidade. Jamais

perdi as esperanças e me concentrei ao máximo para melhorar e arriscar tudo já que a próxima volta que eu fosse dar no carro já seria a volta que iria valer o meu tempo para a classificação. Trabalhei firme com o meu engenheiro para tentar melhorar o carro e tirar o máximo do que tínhamos.

 

Classificação, primeiro tempo!

 

A classificação é dividida em várias etapas simulando um

campeonato de futebol. A primeira etapa é dividida em 2 grupos e tem a duração de 15 minutos aonde somente os 4 melhores de cada grupo se classificam para a próxima fase. Aí vem as quartas de finais, semi e final entre os 8 melhores e conforme o piloto vai se classificando, ele passa para a próxima fase. Terminei a classificação em terceiro. Melhor do que esperávamos após todos os problemas e falta de tempo para adaptação.

 

Corrida. Larguei e já pulei para segundo na largada. Vinha em um ritmo muito bom. Infelizmente, na hora do pit, um problema com a embreagem me custou o pódio. Perdi 19 segundo nos boxes e acabei terminando em sétimo. Uma pena. Tinha tudo para começar com um grande resultado. Marcamos pontos, isso já é muito bom para o campeonato.

 

Pelo regulamento, para a segunda corrida, todo o grid é invertido. Ou seja, quem ganha a primeira, tem que largar em ultimo na segunda. Como cheguei em sétimo na primeira, minha posição de largada para a segunda era décimo segundo. Vinha bem e já ocupava a sexta colocação quando tive o mesmo problema no pit e cai para décimo quarto. Acabei terminando em décimo e marcando mais uns pontinhos. Bom começo apesar dos probleminhas.

 

Isso tudo me deixa muito animado com o restante do campeonato. Sei que daqui para frente às coisas vão ficando cada vez mais difíceis. Todos vão se acertando e aprendendo cada vez mais. Isso tudo só tornará a categoria cada vez mais competitiva.

 

Costumo dizer que o futuro a Deus pertence. Então, onde eu estarei na próxima temporada, só ELE sabe. Volto para o Brasil ainda esse ano onde já na próxima etapa estarei de volta na Stock Car. Pena que até lá terei um intervalo grande nas pistas brasileiras.

 

Enquanto isso, vou me aventurando e batalhando por aqui. :))

 

Até a próxima!

 

Obs: Detalhe da foto. Batmam e seu Batmovel, rsrsrs



Escrito por Jungle Boy às 15h13
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]